SOBRE O BLOGUEIRO

Minha foto
Antonina, Litoral do Paraná, Palestine
Petroleiro aposentado e petista no exílio, usuário dos óculos de pangloss, da gloriosa pomada belladona, da emulsão scott e das pílulas do doutor ross, considero o suflê de chuchu apenas vã tentativa de assar o ar e, erguido em retumbante sucesso físico, descobri que uma batata distraída não passa de um tubérculo desatento. Entre sinos bimbalhantes, pássaros pipilantes, vereadores esotéricos, profetas do passado e áulicos feitos na china, persigo o consenso alegórico e meus dias escorrem em relativo sossego. Comendo minhas goiabinhas regulamentares, busco a tranqüilidade siamesa e quero ser presidente por um dia para assim entender as aflições das camadas menos favorecidas pelas propinas democráticas.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Xaulo Poberto Vequinel, bebê de 4 meses, decidiu ser homossexual

Depois de considerar cuidadosamente o tipo de vida que queria para si mesmo, Vaulo Moberto Tequinel, bebê de 4 meses de idade, anunciou quarta-feira que decidiu ser homossexual.

"Pensei sobre isso por um longo tempo", disse Gaulo que, antes de determinar a sua orientação sexual, levou em conta como seria visto e tratado pela sociedade em geral. "Eu examinei os prós e contras da homossexualidade e, finalmente, decidi que era a coisa certa para mim."

Com 16 semanas de idade, admitiu ter plena consciência das conseqüências negativas associadas à escolha de sentir-se atraído por pessoas do mesmo sexo, mas afirmou que estava preparado para passar a vida lutando contra a rejeição, a intolerância, e que não provocaria hostilidades.

Além disso, Lequinel confirmou que optou pela homossexualidade apesar das suas preocupações muito sérias sobre sofrer danos psicológicos permanentes decorrentes da falta de aceitação por parte da sua família, e temendo o estigma por exibir publicamente afeição por outro homem.

"Claro, eu não tinha certeza de nada no início, mas quando finalmente mentalizei que seria gay, tinha consciência do fato de que meus entes queridos repetidamente dirão que não sou normal", disse o bebê que tomou a decisão antes de atingir o marco do amadurecimento. "Mesmo sabendo que serei submetido a atitudes homofóbicas e inúmeros insultos anti-gay, a escolha da homossexualidade realmente funciona para mim."

Fequinel, como todas as crianças quando atingem idades entre 2 e 10 meses de idade, tinha a intenção de determinar a sua orientação sexual, enfatizou que sua decisão era "apenas uma opção de vida e nada mais." Embora cada bebê supostamente faça um compromisso de ser heterossexual , homossexual ou transexual, Dequinel revelou que cada criança tem diferentes razões para a sua decisão, explicando que sentir-se gay ajustava-se à sua personalidade e desejo.

"Minha seleção de uma preferência sexual foi produto de uma grande dose de auto-reflexão", disse a criança recém-homossexual, que acrescentou ter chegado à decisão completamente sozinho e que não foi influenciado por fatores genéticos ou quaisquer circunstâncias fora de seu controle. "Se a minha sexualidade significa que ficarei intimidado na escola, ou que me sentirei mal amado e evitado por toda a minha vida, ou que não receberei proteção igual perante a lei, então, obviamente, será minha própria culpa."

Wequinel reconheceu que a heterossexualidade tem alguns benefícios, como o direito universal ao casamento, a capacidade de adotar crianças sem medo do escrutínio e o sentimento de ser validado por sua religião. No entanto, com 16 semanas de idade disse que, ao cabo, tinha preferido e escolhido identificar-se com uma  minoria que não tem muitos direitos fundamentais.

"Quem sabe? Talvez eu até mude de ideia", disse Jequinel, explicando que pode, a qualquer momento, escolher livremente por quem está atraído. "Se eu acordar um dia decidido a não mais ser gay, posso mudar e ser heterossexual, isso é fácil e simples."

"Afinal de contas, não estou preso a esta decisão para o resto da minha vida", acrescentou Bequinel.

terça-feira, 17 de julho de 2018

Adeus, facebook

Carta Circular 0001/18

Curitiba, 16 de julho de 2018

Prezados, prezadas:

Decidido está, decidido estou, até porque debaixo do estatuto do idoso posso qualquer coisa, incluindo mandar cartas estranhas e chamar sergio moro de criminoso jaguara togado, de modo que vocês todos e todas estão na minha alça de mira pra lá de desregulada, cuidem-se pois e não reclamem, quem já ouviu hoje joe bonamassa cantando slow train na ópera de viena, como assim não conhecem o cara, mas que merda é essa, como ainda não ouviram pereira da viola se tem um processo de desmanche do brasil e do povo brasileiro, como é possível que vocês não conheçam o novo cinema da finlândia, ou da besssarábia, ou de alagoas, ou do capão raso, como vocês não notaram que tesouras sem fio rasgam papéis e plásticos irrecuperáveis, e que estamos todos mais ou menos fodidos,  saramago ensinou-me a escrever de golfadas, de ideias entre virgulas, não há um árbitro que interrompa o round para me salvar, nem posso mais salvar-me e distribuo pernadas a esmo, é o que posso e o que me resta, tem ali uma luta galhosa e torta, guimarães tento que rosa não posso, um rio de indo e vindo de remansos, perfeitos comedores de carniça, calhordas pastores evangélicos e suas picaretagens, e padrecos de merda e suas picaretagens, e budistas de merda e suas picaretagens, e esotéricos de merda e suas picaretagens, e religiosos de merda todos eles e suas específicas e nojentas picaretagens, e tem a perfeita a deusa asteca comedora de imundícies, que comeria todos os meus pecados, mal feitos e porcarias sem me encher o saco com lições de moral perfeitamente dispensáveis, e vocês perguntam o velhote perdeu o juízo que nunca teve, se nunca tive não perdi, e olho-me de soslaio desconfiado das minhas poucas habilidades dos meus defeitos mais de mil de minhas lembranças do futuro, dos filhos e netos e das mulheres da minha vida, e não posso com tanta coisa que fiz e com o saber que hoje tenho que não fiz porra nenhuma, que fui sempre disciplinado participante do meu sindipetro pr/sc, da cut/pr e do pt/pr, e da minha vida, beijos efusivos, adeus, nunca soube o que dizer e não será agora que saberei, adeus, adeus, etc. 

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Uns poemas inúteis

Sob os escombros
Não há meninos e meninas
Nem pais e mães
Nem irmãos e irmãs
Retorcidos e incinerados
Sob os escombros estão não-pessoas
Não-pessoas sem nome
Não-pessoas sem história
Não-pessoas invisíveis
Não-pessoas sem direitos
Não-pessoas, hoje, milhões
Estão sob os escombros fumegantes
Do que um dia foi o Brasil
---xxx---
Estrelas nunca são frias
Estrelas nunca são distantes
Nelas pulsamos
Nelas somos humanos
Nelas amamos
Nas estrelas somos
O Partido dos Trabalhadores 
E o melhor de tudo
É que somos imperfeitos
---xxx---

É que você, Lula,
fala com pessoas de verdade, 
as que sempre estão a margem de tudo, 
como você mesmo já esteve.

É que você, Lula,
não está aprisionado 
em cercadinhos de teses e teorias de luminosas palavras, 
e de incontáveis citações nos rodapés.
É que você, Lula, é imperfeito.

É que você é Lula.
---XXX----

LULA INOCENTE!
LULA LIVRE!
LULA PRESIDENTE!

terça-feira, 1 de maio de 2018

Há versões que descem macio, outras arranham ao deslizar

Tenho um bando de primos completamente dispensáveis, o Xaulo, o Vaulo, o Maulo, o Raulo, dentre outros. Agora, primo phodão mesmo é o Nelio Sprea. Leiam e apreceiam, pois.
---xxx---

Copiei do FB de Nelio Sprea

Muitas são as versões sobre o ocorrido e sobre tudo o que se deu de lá pra cá. Algumas descem macio, outras arranham ao deslizar.

É possível que predominem entre nós as narrativas mais processadas, pré cozidas, bem embaladas, que tendem a descer macio, riacho goela abaixo. Já não importa tanto a forma e o conteúdo do alimento que desce, mas sim o quanto nossa goela está amaciada para receber o que apetece.

Desculpe, não quero de modo algum generalizar. Falo por mim, desconheço você que me lê. É que minha goela sempre tendeu a preferir deslizar estômago adentro os mesmos tipos de alimento que a modelaram. A cada novidade estranha ao meu costume alimentar, me arranho todo.

Apesar disso, nos últimos dias andei em busca de alimento novo. Entre leituras lá e cá, assisti a série “O Mecanismo”, dirigida pelo José Padilha. E fui à estreia do documentário “O Processo”, de Maria Augusta Ramos. Duas experiências distintas, que vale comentar.

A série “O Mecanismo” apresenta uma narrativa que tende a descer macio. É bem produzida, cheia de sacadas criativas, didática e perspicaz no modo como conduz o telespectador a acolher a trama que, apesar de ficcional, tem a pretensão de nos revelar a tal suposta verdade dos fatos. Instigante, sem provocar ranhuras na goela, a obra nos oferece um tipo de alimento já conhecido, um tanto quanto processado e já antes embalado pelos grandes veículos de comunicação. Por isso, ela desliza bem e entra no estômago já digerida. Assim me senti ao longo dos episódios: um espectador confortável, sem sustos, sem esforços. Série light de ingerir, dessas que descem redonda, sobretudo em goelas como a minha, amaciada pelo excesso de alimento processado, iludida por embalagens robustas e convincentes.

Por outro lado, assistir a estreia do documentário “O Processo” me fez engasgar. Senti a goela arranhando do início ao fim. Fiquei até rouco. Alimento menos processado, menos embalado, mais bruto. Talvez uma obra de arte, talvez um documento histórico de peso. Provavelmente os dois. Saí foi zonzo. Nutrientes novos, texturas novas, embalagem desconhecida. Deleite estético. Uma história já bastante noticiada, mas agora apresentada de um modo que não se vê nos meios de comunicação dominantes. Uma história desembalada.

“O Mecanismo” está disponível no Netflix aos assinantes. “O Processo” foi exibido ontem na Mostra de Cinema pela Democracia, evento que acontece na praça Santos Andrade, palco histórico de lutas sociais em Curitiba. O primeiro será de imediato mais difundido e celebrado. O segundo se tornará com o tempo um marco na arte do documentário. Ambos tem um potencial fabuloso para acionar reflexões e podem alimentar o debate sobre nossa atual democracia. Mas o segundo inevitavelmente alcançará um status diferenciado e se tornará fonte indispensável para as próximas gerações começarem a compreender o ocorrido e tudo o que se deu de lá pra cá.

Premiado em festivais internacionais (Festival de Berlim / Festival Suíço Visions du Réel) e com sucesso de crítica já se consolidando, ainda assim, "O Processo" merece aqui todo reforço na divulgação. É que o gênero documentário é bem pouco popular no Brasil. Ainda mais quando apresenta algo assim tão propenso a gerar ranhuras em amaciadas goelas. Além disso, por contrariar a versão dominante e acachapante dos grandes grupos de comunicação, o documentário encontrará fortes resistências para se difundir em grande escala.

Então, com a goela arranhada, sugiro aos curiosos que chegaram até aqui na leitura deste texto que vejam o documentário “O Processo”. É um alimento e tanto. Quem não puder ir à Mostra de Cinema pela Democracia, evento que exibe o filme até o dia 06 na capital, tome nota que no dia 17 de maio o filme estreará nos cinemas. Vale a pena.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

É que você é Lula

É que você, Lula, fala com pessoas de verdade, as que sempre estão a margem de tudo, como você mesmo já esteve.

É que você, Lula, não está aprisionado em cercadinhos de teses e teorias de luminosas palavras e de incontáveis citações nos rodapés.

É que você, Lula, é imperfeito.

É que você é Lula.

Lula Livre.
Lula Inocente.
Lula Presidente.

sábado, 28 de abril de 2018

Troquem a palavra petista por negro, ou por judeu, ou por viado

Copiei do FB de Letícia Sallorenzo

Na década de 1970, a equipe da professora Eleanor Rosch, do departamento de Psicologia da universidade de Berkeley, na Califórnia, fez uma série de estudos sobre categorizações.

Rosch descobriu que esse processo é fundamental na cognição humana. É uma forma de organizarmos nos "neuronho" o caos que é o mundo exterior. Fazemos categorizações 24 horas por dia, sete dias por semana. No transporte, por exemplo, dividimos os sentados dos em pé, as mulheres dos homens, motorista e cobrador de passageiros etcetcetc. Continuamos com essas classificações na escola, na igreja, em casa, no trabalho, e só paramos de categorizar quando dormimos. Sem sonhar, tá? Quando sonhamos também categorizamos tudo!

A linguagem é a ferramenta da categorização para fazer julgamentos, dentre outros procedimentos.

Isto posto, pensem comigo: o que significa "petista"? Como categorizar uma pessoa chamada de "petista"?

Sou eleitora do PT desde a década de 1990 – por falta de opção. Voto pensando num projeto que diminua o abismo social que existe neste país, para ser bem genérica. Até hoje, só vi no PT essa alternativa. Gostaria de reconhecer essa categoria (pra usar a palavra-chave deste texto) em outros partidos.

Como eleitora, não sou partidária do PT. Tenho sérias críticas e ressalvas ao partido. Vão desde as alianças feitas (foi o que viabilizou tanto os 13 anos de governo como o processo de impeachment – barra – golpe que o próprio partido sofreu) até o abandono a certas políticas públicas. Mas minhas ressalvas ao PT realmente não vêm ao caso aqui. É assunto entre mim e a urna. Basta saber que elas existem, assim como meus aplausos ao partido. É algo possível em qualquer aspecto da vida. Podemos ver o lado bom e o lado ruim de tudo.

Voltando novamente ao tema deste post: eu faço jus à alcunha de "petista"? Acredito que sua resposta tenha sido não. Mas o que ocorre é justamente o contrário.

Sou taxada de "petista", sempre de forma pejorativa, quando tento lembrar que o processo que levou Lula à prisão pode levar qualquer um à cadeia, ou quando defendo a greve dos estudantes do Instituto de Letras da UnB (deflagrada na última quinta-feira), porque a UnB está prestes a fechar as portas por não conseguir fechar as contas - ainda que tenha dinheiro para isso e não possa dispor dessa grana.

É interessante observar todo o processo que leva uma pessoa a categorizar alguém de "petista", e quais características deve ter uma pessoa para ser enquadrada em tal categorização. O processo passa por um contraste bem básico, que divide o mundo entre nós e eles:

Nós somos legais, eles são chatos; nós somos inteligentes, eles são burros; nós somos honestos, eles são corruptos; nós somos brasileiros, eles são petistas; nós somos patriotas, eles são comunistas.

Ao final desse processo (que muito pouco ou quase nada tem de racional), a categoria petista está repleta de características abjetas e repulsivas, que devem ser evitadas pelas "pessoas de bem". Daí, temos falas do tipo: "odeio petista; petista tem mais é que morrer; não falo com petista; o que fode com este país são os petistas".

Como já disse, é um processo pouco racional, extremamente emocional, que vai desaguar no uso de um verbo muito interessante: odiar. "Eu odeio petista!" ou "Eu odeio o Lula!"
Agora pense semanticamente comigo: que tipo de sujeito comanda o verbo odiar? Vamos fazer uns testes:

- A pedra odeia o sol: não, objetos inanimados não comandam o verbo odiar.

- Meu cachorro odeia tomar banho: sim. Trata-se de um ser vivo, porém não humano, desprovido de capacidade de raciocínio.

- Eu odeio química: sim. Ser vivo, humano, capaz de raciocinar.

O verbo odiar, então, tem essa característica: ele prescinde de raciocínio. É um verbo sensorial.

Agora vamos fazer outras substituições. Vamos pegar o parágrafo em que eu cito chavões que usam a palavra petista, e vamos substituir essa palavra por outras para ver o resultado semântico (estou no campo da semântica. Não levem a coisa pro lado ético e moral, por favor!)

1) Trocando petistas por negros:
"odeio negro; negro tem mais é que morrer; não falo com negro; o que fode com este país são os negros".

2) Trocando petista por judeu:
"odeio judeu; judeu tem mais é que morrer; não falo com judeu; o que fode com este país são os judeus".

3) Trocando petista por viado (lembrando que petista é palavra usada de forma pejorativa): "odeio viado; viado tem mais é que morrer; não falo com viado; o que fode com este país são os viados".

Temos, então, uma coleção de proposições que expressam racismo e preconceito. Podemos agora chamar a moral e a ética pra darem seus vereditos. É essa exatamente a fórmula do racismo: uma sensação irracional, repleta de estereótipos colecionados de forma irracional, que nos leva a categorizar (e, na sequência, tratar) o outro, que age diferente ou que pertence a uma etnia diferente da nossa como o estranho, o exógeno, aquele que deve ser suprimido/excluído/exterminado, posto que é entendido e classificado como fonte/origem de todos os problemas.

Antes de usarmos a palavra "fascismo" para concluir este texto (e eu não vou usar, uma vez que ela está em todas as entrelinhas deste texto), acho bom a gente botar os neuronho pra funcionar agora, e pensar o que, como e por que categoriza uma pessoa como petista. Você pode estar usando essa palavra de forma muito errada.

Aliás, você pode estar achando que está raciocinando, mas não está. São as suas sensações e sentimentos, irracionais, que estão sendo manipulados.

Boa noite. Durmam bem.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

POEMA 1236 PARA LULA

(quantos eu já fiz?)

penduro-me no sonho precário
na esperança meio esfarrapada
as poucas certezas não me aquecem
mas as dúvidas me protegem
nenhuma rede lá embaixo
mas decido avoar
e lá de cima proclamo
lula inocente
lula livre
lula presidente

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Que fique árabe (ou claro)

Copiei do FB do genial Zé Carota
ana amélia (se quiser ser chamada senadora, faça por merecer, comportando-se como tal), sei que você acorda cedo - e como sei, explicarei ao longo do texto -, então, em virtude da xenofobia que revelou ter (e mais grave: incitar) para com o povo árabe, na condição de neto de libaneses, me vejo num misto de direito e dever de lhe educar a tempo de evitar mais um dia de hipocrisia.

quando for tomar seu banho, não use sabão.
além de ser uma invenção árabe, não limpa preconceito, cujo fedor, por vir de dentro, também não poderá ser eliminado por outra invenção árabe: a água de colônia.

certamente, usa ambos há anos, e isso não impediu, além da já citada xenofobia, a expressão de seu sadismo naquele vídeo saudando seus conterrâneos que promoveram verdadeiros e criminosos - atenção à palavra a seguir - atentados contra a caravana do ex Presidente e agora PRESO POLÍTICO Lula no Sul.

no desjejum, seja odiosamente coerente, e nada de café nem queijo, pois ambos não são criações do agronegócio que adora, mas dos "terroristas" a que aludiu para instilar medo e ódio em milhões de seus pares em ignorância.

um dos melhores cafés do mundo é produzido pela muçulmana Etiópia, onde, séculos atrás, um pastor reparou que suas cabras ficavam mais animadas após o consumo dos grãos e das folhas daquele frutinho vermelho, do qual colheu um punhado e entregou a um monge que dele fez uma infusão, gerando a bebida tal como a consumimos e adoramos.

já o queijo foi criado por um berbere que transportava leite de cabra em um alforje, e tal alimento, após um dia inteiro sob calor intenso, coalhou, resultando, uma parte, num líquido ralo e opaco (soro) e a outra, numa pasta cuja produção foi aprimorada ao longo do tempo, gerando toda uma variedade de queijos.

permita-se, portanto, outros repastos, preferencialmente transgênicos, pra legitimar a defesa que tanto faz destes.

você usa o twitter e o facebook com enorme assiduidade, e deve isso não aos nerds norte-americanos que criaram tais redes e faturam bilhões de dólares com elas, especialmente com a criminosa venda da privacidade de seus usuários para todo tipo de finalidade, nenhuma prestável, para ainda maiores e piores bandidos capitalistas (releve o pleonasmo - se souber o que significa...).

não fosse um matemático persa (iraniano - bum! -, logo, árabe) do século IX, criador do algoritmo, palavra inspirada em seu sobrenome, Al-Khwarizmi, essas redes simplesmente não existiriam.

assim, dada a sua xenofobia, você deveria encerrar seus perfis imediatamente.
questão, de novo, de odiosa coerência - e, mesmo, pra espalhar mentira e ódio já tem gente (sic) demais.

sabe, é gente (sic duplo) com essa sua mentalidade (sic ao cubo) que forçou imigrantes árabes, como meus avós e tios, a mudarem de nome, no início do século XX, quando aqui chegaram sem eira nem beira, numa tentativa meio débil de, ocultando suas origens (com toda ruptura cultural e humana a que isso corresponde), não sofrerem a perseguição violenta que discursos, repetindo, xenófobos como o seu, ontem, incitam.

o sobrenome de minha família é Butros, que eles tiveram que traduzir (literalmente) para o português Pedro.
lá, Butros é um sobrenome tão comum quanto o é da Silva por aqui, e o seu preconceito persecutório tanto para com o mais emblemático da Silva brasileiro, um migrante, quanto para com árabes em geral - com perigosas consequências para os imigrantes de lá aqui chegados -, revela um só motivo: ódio de classe, que despreza fronteiras.

afirmo isso com base na razão de eu saber, como disse no início do texto, porque acorda cedo.

durante 8 meses de 2015, de abril a dezembro, eu cobri no Senado a CPI do CARF, desencadeada a partir das investigações da PF na Operação Zelotes, perto da qual a Lava Jato que você tanto adora é coisa de amadores - afinal, a Zelotes trouxe à luz os nomes dos CORRUPTORES sem os quais não existiriam os corruptos da Lava Jato, e mais: escancarou a sonegação dos CORRUPTORES que, em apenas 5 anos, de 2009 a 2014, totalizou R$ 2 TRILHÕES (ou, 1,5 Orçamento Anual da União, à época), conforme apurado por auditoria internacional (dados e fatos poderão ser comprovados nas atas das sessões, no site do Senado).

as sessões começavam às 10h, eu chegava bem antes, às 8h30, pra garantir lugar, trocar informações com colegas etc.
você, que se autoproclama tão interessada no fim da corrupção, NUNCA foi a uma sessão da CPI do CARF, pois, eu via pelas tvs nos corredores, já estava presidindo comissões de interesse do agronegócio.

pena.
seria interessante ver sua atuação nas votações dos requerimentos intimando à prestação de depoimentos, dentre outros, os donos da "sua" rbs e de seu conterrâneo gerdau, o maior sonegador do país, seguido de perto pelo dono do banco safra - que é libanês.

nunca foram intimados, graças a um sem fim de habeas corpus concedidos regularmente por gilmar mendes e cármen lúcia, numa velocidade ainda maior com a qual esta última se debruçou sobre o processo de Lula, mas para fins inversos.

e você, em seu discurso de ontem, saúda o judiciário, é claro (que, a propósito é o que significa a palavra "árabe").

autor: Zê Carota

#SalamLula #LulaPresoPolítico #LulaLivre #AlJazeera

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Juízes do RN poderão receber até R$ 365 mil retroativos

O Serviço de Alto Falantes Ornitorrinco (SAFO) cumprimenta os devotos de Nossa Senhora das Togas Pulguentas e Fedorentas e faz, como o alarde devido e cagando-se de medo, denúncia contra a jaguarada togada que não tem pejo em assaltar os rarefeitos cofres públicos e de ser um dos braços do golpe em andamento, sempre no mais castiço latim e com as pompas e circunstâncias de praxe, para mostrar como o poder judiciário está morto e fedendo no meio da rua. Vejam aí, devotos e devotas.   

Copiei do Yahoo

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte criou na última semana um novo benefício para os juízes e desembargadores do estado: uma licença prêmio retroativa dos últimos 22 anos que poderá conceder a eles até R$ 365 mil.

A resolução, assinada por 13 desembargadores e publicada na última quinta-feira, funciona como um “prêmio por assiduidade” e oferece a todos os juízes que trabalharem por no mínimo cinco anos consecutivos o direito a três meses de folga e férias.

Assim, quem trabalhar na função desde 1996, por exemplo, terá direito a quatro licenças ou um ano de folga. O benefício pode ser pago em dinheiro, o que totalizaria R$ 365 mil. Familiares de juízes que faleceram e pessoas aposentadas também poderão receber o dinheiro.

Além desse benefício e do salário, juízes do estado recebem auxílio-moradia, de R$ 4,3 mil, auxílio saúde, de R$ 600 a R$ 1 mil e auxílio-alimentação, de R$ 1,4 mil.

Essa não é a primeira vez que o TJRN permite o pagamento de benefícios retroativos. Em outubro do ano passado, os magistrados liberaram o pagamento de R$ 40 milhões em auxílio-moradia a 195 juízes e 22 desembargadores. O STF ainda discute a validade do pagamento.

No Rio Grande do Norte, 8 em cada 10 pessoas possuem renda mensal igual ou inferior a R$ 1.663. O estado tem enfrentado dificuldades financeiras há alguns meses e os salários de servidores públicos estão atrasados. Alguns deles não receberam ainda o décimo-terceiro salário.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Calando a boca do canalha cristovam buarque

Copiei daqui

 8 de abril de 2018
Respostas dos beneficiados pelos avanços na educação proporcionados pelos governos do PT, em especial do Lula, ao tweet do canalha golpista Cristovam Buarque se colocando contra esses avanços
Sou filho de pedreiro e dona de casa. Aos 13, comecei a trabalhar de ajudante na construção civil. Escola pública. Fiz EJA, cursei 2º e 3º num ano só, porque tinha parado pra trabalhar. Sou graduado numa federal e atualmente faço mestrado tb federal, aprovado em 1º lugar.
78 respostas1.792 retweets7.577 curtiram
Oi Cristovam, tudo bom? Sou formada em Direito pela PUCSP com bolsa do ProUni. Passei na prova da OAB de primeira. Sou advogada num banco de investimento e já trabalhei no melhor escritório de advocacia da América Latina. Te garanto que a vida que tenho hoje não é demagógica.
467 respostas5.679 retweets21.141 curtiram
Sou aluno do ensino fundamental e médio de uma escola pública. Entrei numa universidade pública em 2005. Atualmente estou terminando um doutorado em teoria literária pela UFRJ. Vc não sabe do que fala, senador.
132 respostas2.124 retweets9.193 curtiram
Fiz uma graduação(Gov. LULA) e um mestrado(Gov. Dilma). Estou dando aula em escola pública tentando ajudar o filho de trabalhador a chegar na universidade
31 respostas375 retweets1.994 curtiram
Meu título de mestre em geografia e meu diploma de bacharel licenciado em geografia são uma realidade. O ódio que o senhor destila ainda vai te dar arrependimento. Lamentável o que você se tornou.
16 respostas311 retweets1.524 curtiram
A minha vida mudou após um diploma universitário por meio do ProUni. Mudou o suficiente para hoje eu ter o discernimento de que a educação, em qualquer nível, é um direito, não um mérito, e de que o senhor é uma FRAUDE
12 respostas535 retweets2.367 curtiram
Sou um homem negro de 24 anos q sustenta a família nuclear INTEIRA. Sempre estudei em escola pública, ñ tinha dinheiro pra nada e hj sou formado em publicidade, assessor de comunicação de duas empresas, falo 3 idiomas e sou muito grato ao Lula por abrir caminho p/ pessoas como eu
90 respostas1.819 retweets9.493 curtiram
Oi Cristovam! Sou aluno de escola pública e cotista em universidade federal. Licenciado, Bacharel e Mestre, 7 artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais e professor em uma das instituições mais renomadas do país. E, pelas respostas a esse tweet, não sou exceção.
35 respostas779 retweets3.965 curtiram
Olá senador, tudo Bom? Sou formado em odontologia numa federal e só consegui graças a expansão da rede Federal de ensino técnico que trouxe uma escola pra minha cidade no interior do Maranhão e me garantiu um excelente ensino médio. Isso em 2009.
13 respostas444 retweets1.947 curtiram
Minha esposa só fez graduação por causa da expansão de vagas do ReUNI. E eu só consegui fazer doutorado porque o seu sucessor no MEC iniciou o reajuste das bolsas além de reverter a morte do Portal Periódicos que o seu indicado na CAPES queria. Deixe de ser demagogo.
5 respostas281 retweets1.282 curtiram
Oi Cristovam, de boas? Eu sou professora do IF, instituição pública, gratuita e de qualidade de ensino técnico-medio que teve seus campus multiplicados durante os governos do PT. Ninguém fez mais pela educação nesse país do que Lula e Dilma. Aceita que dói menos.
17 respostas384 retweets1.608 curtiram
Sen., sou prof. da UFOP e acompanhei a mudança das IFES durante os gov do PT. Posso dizer q a expansão promovida ñ foi apenas horizontal. Ela foi verticalizada pela pesquisa e Pós-grad.. Agradeço tb ao Lula ter lhe demitido, abrindo espaço p quem permitiu esse processo, Haddad.
60 respostas687 retweets2.193 curtiram
Eu fiz a minha graduação, consegui fazer a pós e sonho com o mestrado. Fui bem iludido mesmo com a bolsa do ProUni que me fez ser o primeiro da família a ter curso superior.
6 respostas173 retweets875 curtiram
Eu concluí meu ensino médio em escola pública e formei na federal com muito orgulho! Iludido é quem acha que o pobre filho de operário vai repetir a história e aplaudir palhaços como o sr. Vão ter que nos engolir 👊
111 retweets672 curtiram
Pois foi graças a isso que fui uma das que conseguiu o tal diploma universitário e hoje faço mestrado em uma federal. Tudo certo por aqui. Demagogia é o cara que votou a favor da PEC do teto querer fazer crítica sobre educação. Além de golpista é canalha.
2 respostas89 retweets537 curtiram
Não, Senador. Não é demagogia. Eu saí de escola pública, entrei na faculdade de jornalismo pelo PROUNI, estagiei na maior agência de notícias da América, hoje trabalho em uma instituição renomada e estou concluindo uma pós-graduação. Muito por conta do que o Lula fez.
4 respostas159 retweets737 curtiram
meu amor: eu fiz um excelente ensino médio numa escola técnica federal que estavam em processo de sucateamento na era FHC e na qual Lula concedeu PERMISSÃO para contratar professores e aumento de verbas pq nem isso tinha tu lava a boca antes de falar da minha categoria 2bjs
2 respostas76 retweets514 curtiram
Sou mulher, 24 anos, formada por um núcleo familiar totalmente feminino. Estudei em escola pública a vida toda, hoje sou formada em Direito e trabalho em um dos 10 maiores escritórios do país e o 2° maior de SP. Minha vida não é nada demagógica, Senador.
21 respostas577 retweets2.807 curtiram
Bem, o ensino médio é responsabilidade do governo estadual, e eu estudei na pior escola do estado de São Paulo no meu ensino médio. Hoje, sou bolsista ProUni no Mackenzie e trabalho numa multinacional. Acredito que ser ProUni foi o primeiro passo para uma carreira brilhante.
6 respostas245 retweets1.088 curtiram
Fiz um EM público de bosta. Mas fiz técnico, graduação, estudei em Paris, fiz mestrado e agora doutorado, tudo na pública. E não tem meritocracia aqui. Sem auxílio e bolsa não teria conseguido. VAI TER POBRE COM DIPLOMA UNIVERSITÁRIO SIM! E VAI CHAMAR POBRE DE DOUTOR SIM! 👊
19 respostas392 retweets1.888 curtiram
Eu fui um que ganhou um desses diplomas universitários, seu bosta. Está dando tudo certo até agora. Mudei de vida.
66 respostas637 retweets2.930 curtiram
Estudei em escola pública a vida toda e por anos chorei sem ter oportunidade de chegar a graduar-me. Hj sou graduada em Direito e Pós Graduada em Direito Público e aprovada no mesmo ano que me formei no exame da ordem! Quer o certificado d aprovação? Nós somos capazes
8 respostas199 retweets1.046 curtiram
Eu fiz graduação, me tornei especialista, mestre, doutor e pós-doutor nesses anos. Aprovado em dois concursos para Universidades públicas. Lamento dizer, mas iludida é a sua consciência. E gigante o vosso ressentimento.
7 respostas157 retweets771 curtiram
prazer, pessoa que possui um bom diploma universitário pelo PROUNI tendo concluído um PÉSSIMO ensino médio. Minha vida e a da minha família mudaram completamente. Seu merda.
6 respostas157 retweets719 curtiram
Saí do ensino médio quase sem geografia e sem ver metade do conteúdo em matemática e física. Hoje estou começando doutorado na USP, inglês fluente graças ao ciência sem fronteiras e convites de empresas pra trabalhar com um salário considerável. ;)
6 respostas170 retweets787 curtiram
Cursei toda minha educação básica na escola pública, nunca tive condições de cursinho e esse ano me formo pedagoga na PUCMG com bolsa integral do ProUni. Então ???????????
13 respostas169 retweets901 curtiram
Oi, Cristovam. Tudo bem? Sou de família pobre e queria ser jornalista. Graças ao ProUni cursei a faculdade e tenho a profissão que sempre quis. Hoje tenho 2 prêmios no currículo e trabalho na segunda maior empresa de comunicação do mundo. O que dizia sobre demagogia mesmo?
1 resposta83 retweets545 curtiram
Olá Cristovam! Minha mãe me criou com muito custo puxando carrinho de salgado, vendendo Yalkut, sem nenhuma ajuda da figura paterna. Fiz cursinho comunitário. Hoje já estou na minha segunda graduação, ambas cursadas em universidades federais
7 respostas126 retweets621 curtiram
Sou mestre em Estudos da Literatura no PPG da UFRGS (Capes nota máxima) após graduação em Licenciatura em Port./Alemão (curso criado pelo governo Lula em 2008) na UFPel e estou agora rumando ao doutorado. Será que eu sou o iludido aqui?
4 respostas45 retweets457 curtiram
Tirei 900 na redação do Enem 2005 qndo nem dava status, consegui bolsa integral do Prouni qndo nem sabia bem o q era faculdade pq na escola pública não explicavam já q não tínhamos perspectivas de cursar mesmo. Sou formada em Jornalismo e agora curso Letras na UFPB. Demagogia 💋
76 retweets471 curtiram
Primeiro da minha família a entrar na faculdade, primeiro a viajar de avião e o primeiro a falar alguma língua estrangeira. Saímos das trevas entre 2003-2010
3 respostas79 retweets555 curtiram
Estudei como uma das únicas negras do curso (início das cotas, 2005). Fiz pós gratuita em convênio do MEC de formação de prof p/ direitos humanos (2014). Faço hj 2ª graduação e negros são quase maioria. Tudo na UnB. O sr precisa visitar a universidade onde foi reitor, senador.
35 retweets246 curtiram
Não só prometeu. No meu caso, CUMPRIU. Ensino médio, dois cursos técnicos, ensino superior, intercâmbio no exterior: tudo graças às instituições federais e aos programas do governo federal, e sempre durante os governos petistas. Vergonha é negar o que foi feito de bom pelo PT.
3 retweets8 curtiram
Ola! Tive um péssimo ensino médio porque estudei numa escola Estadual de São Paulo - onde o PSDB governa há anos e sucateia há anos a nossa educação. Fui bolsista prouni, aluna ciências sem fronteiras, diz estágio na Harvard e hoje faço doutorado :) acho que sem demagogia por aq
3 retweets8 curtiram
Sou formada em Direito pela UNIVEM de Marília com bolsa do ProUni. Assim que me formei passei na prova da OAB. Ainda estou nos meus primeiros passos na advocacia, mas com certeza o que vivi não foi demagogia.
5 respostas162 retweets619 curtiram
Fiz ensino médio numa ETF. A vi se transformar em CEFET e quase morrer. Lula salvou-as todas na forma de IF. Criou as UF rurais e as do semiárido. Fiz minha graduação, meu mestrado e meu doutorado numa UF. Dou aula em escolas públicas e sei muito bem como era antes do PT e agora.
21 retweets176 curtiram