SOBRE O BLOGUEIRO

Minha foto
Antonina, Litoral do Paraná, Palestine
Petroleiro aposentado e petista no exílio, usuário dos óculos de pangloss, da gloriosa pomada belladona, da emulsão scott e das pílulas do doutor ross, considero o suflê de chuchu apenas vã tentativa de assar o ar e, erguido em retumbante sucesso físico, descobri que uma batata distraída não passa de um tubérculo desatento. Entre sinos bimbalhantes, pássaros pipilantes, vereadores esotéricos, profetas do passado e áulicos feitos na china, persigo o consenso alegórico e meus dias escorrem em relativo sossego. Comendo minhas goiabinhas regulamentares, busco a tranqüilidade siamesa e quero ser presidente por um dia para assim entender as aflições das camadas menos favorecidas pelas propinas democráticas.

sexta-feira, 24 de junho de 2022

Meninos e meninas, com vocês BIA FERREIRA!!!

O Ornitorrinco Desavisado nunca tinha ouvido Bia Ferreira e não sabia mesmo da sua existência. Estou completamente estupefacto *: a voz potente e bela, e perfeita, o balanço, o violão. Deleitem-se, pois.

(*) Comigo é assim. Eu fico é estupefacto, vez que ficar meramente estupefato é o mesmo que nada.

XXX---XXX


sexta-feira, 17 de junho de 2022

Milicada incompetente

Copiei do BLOG DE UM SEM-MÍDIA

 

Os fracassos da geração dos generais de Bolsonaro. Por Moisés Mendes

Publicado por Moisés Mendes - Atualizado em 16 de junho de 2022 às 19:55

A elite militar que trabalha para Bolsonaro pode ter feito, pela avaliação de entendidos, boas gestões de quartéis e de planejamento tático e estratégico das suas atividades estritamente castrenses.

Mas essa elite fracassou, e fracassou muito, quando se meteu em áreas que nem os marechais e generais e seus gênios civis da ditadura dominavam.

Os generais fracassaram junto com as missões do Brasil em nome da ONU no Haiti. Fracassaram com Braga Netto na intervenção militar no Rio.

Fracassaram com o desastre de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde e fracassaram com Hamilton Mourão no comando da Amazônia.

Os generais fracassaram já no lançamento, em 2020, do que deveria ter sido o Programa Pró-Brasil, apresentado como um arremedo dos planos desenvolvimentistas da ditadura.

Esses são os militares do entorno de Bolsonaro, muitas vezes vistos não como subalternos do sujeito, mas como seus tutores desde o início do governo.

Bolsonaro está cercado de gente fardada que não conseguiu fazer o básico nas empreitadas assumidas. São oficiais de alta patente que comandam, ao lado de civis, mais de 6 mil colegas das três armas, muitos em postos de chefia, da Educação à Funai.

Sob outro ponto de vista, pode-se dizer também que, ao contrário da percepção de fracasso, eles conseguiram tudo o que desejavam fazer. E assim teriam sido bem sucedidos, e muito mais agora sob as ordens de Bolsonaro.

Mas é difícil aceitar que a sabotagem das medidas contra a pandemia e a vacinação e que a entrega da Amazônia à bandidagem tenham sido projetos pensados com método e racionalidade pelos militares.

Vamos ao exemplo da Amazônia. Na quarta-feira, a Globo News exibiu uma das mais constrangedoras entrevistas concedidas por um general brasileiro.

O general vice-presidente Hamilton Mourão, presidente do Conselho Nacional da Amazônia, confessou seu fracasso com uma sinceridade de recruta.

Admitiu não ter poder, não ter autoridade para mandar, não ter gente, não ter verbas e não ter chefia que o liderasse com firmeza no comando da Amazônia.

E no final confessou: talvez tenha sido incompetente para fazer o que deveria ter sido feito em defesa do território, dos povos e da floresta.

Mourão se desculpava o tempo todo porque nunca teve um cargo executivo. Mas não soube dizer por que as Forças Armadas, e não só o seu conselho, fracassaram na defesa da Amazônia, diante das ameaças externas e dos bandidos internos que mataram Bruno Pereira e Dom Phillips. Soube apenas se desculpar.

Mourão não mandava em ninguém, como admitiu, e se ressentia de um líder. Disse que alguém deveria ter exercido uma liderança agregadora na Amazônia, dando a entender que essa pessoa não seria ele.

E se despediu da conversa como um subalterno que se pune em público por sua submissão a um trabalho nobre que se transforma em algo quase sem sentido.

Um general não conseguiu impor sua autoridade de general e de vice-presidente na região mais problemática do país e a mais exposta aos olhares do mundo todo.

Mourão não mandava e não apitava na Amazônia, onde grileiros, garimpeiros, contrabandistas, mineradoras, traficantes de outros países e assassinos de índios, de jornalistas e de indigenistas mandam e desmandam.

Foi uma omissão deliberada? Por ordem de Bolsonaro compartilhada com os militares? Ou por ser parte do projeto dos militares, encampado pelo poder político de Bolsonaro?

O certo é que essa elite militar, que fracassou em missões internacionais, sabotou a imunização contra a Covid, abriu caminho para gangues de vendedores de vacinas dentro do governo, não enfrentou os bandidos da Amazônia e, bem antes, não ofereceu nenhuma saída para a guerra civil no Rio, essa é a elite ao redor de Bolsonaro.

Não é razoável pensar que esse grupo, muito bem identificado com os projetos de Bolsonaro, pretenda mesmo levar adiante o blefe de um golpe.

Todos os golpes liderados por militares fracassaram nas últimas décadas na América do Sul. As experiências recentes da elite militar brasileira não credenciam esse grupo a organizar, aplicar e manter um golpe liderado por Bolsonaro.

(Publicado originalmente no blog do Moisés Mendes)

xxx---xxx

O Ornitorrinco Paisano, ao saudar os presentes nesta Grandiosa Quermesse em Louvor de La Virgerncita Botinuda y Golpista, lembra a todos e a todas que milicos são treinados e condicionados para obedecer sem pensar. 
Quando generais, almirantes e brigadeiros - cercados por prebendas e privilégios - se põem a pensar, pronto, lá vem apoteose mental e muita merda.
Essa gente deveria é ocupar-se pintando meio-fio, que é o que sabem fazer.

Eis o equipamento padrão que generais, almirantes e brigadeiros sabem usar.


quarta-feira, 8 de junho de 2022

Moro, o fraudador, morreu de megalomania

O Ornitorrinco Eleitoral saúda os presentes nesta grandiosa quermesse em louvor de Nossa Senhora das Fraudes Eleitorais e Judiciárias e, de plano, reafirma que sergio moro é um canalha completo e um pulha absoluto, tendo sido declarado JUIZ LADRÃO pelo STF e pela corte de Direitos Humanos da ONU, meninos e meninas.
Tudo indica que o marreco de Maringá disputará algum cargo aqui mesmo no Paraná e, para completo alívio dos moradores do condomínio, não tentará ser nosso síndico, vez que o titular foi eleito agora em abril.

XXX---XXX

Copiei do indispensável Tijolaço



Fernando Brito, 07/06/2022

A decisão do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo de não reconhecer o domicílio eleitoral de Sergio Moro naquele estado deveria ser o capítulo final da sequência de humilhações pelas quais o ex-juiz (suspeito) vem se submetendo.

É muito longa e cansativa a sucessão de revezes que a sua megalomania o fez passar, desde que, ainda um juiz de primeira instância no interior, começou a maquinar uma escada para subir até a condição de “herói nacional” que acabaria conseguindo quando se prestou a ser o instrumento judicial de um golpe de estado no Brasil.

Era pouco: seu desejo de ser ministro do Supremo – mesmo com sua indigência cultural e jurídica – o fez agarrar-se a barra do paletó de Jair Bolsonaro, que dele se desvencilhou como quem arranca um carrapato.

Ainda assim, Moro tão convencido de sua grandeza que achou que bastaria voltar dos Estados Unidos para ser aclamado como o salvador da Pátria. Nem é preciso descrever o que foram estes poucos meses, desde novembro, em que vaiu da ribalta até a condição de “aspone” de Luciano Bivar.

Agora, de novo, foi pego em um fraude: a de que era eleitor de São Paulo, ele e e a “conja”, quando todos sabiam-no paranaense. O TRE paulista deu-lhe o merecido fora, porque Moro, agora, já não mete medo a ninguém como no tempo em que, como Simão Bacamarte, mandava trancar qualquer um que o enfrentasse.

Tudo na carreira de Moro é fraude, desde que começou a “cevar” o doleiro Alberto Youssef, no caso Banestado, na certeza de que dali lhe viria a oportunidade de alcançar uma mina de outro para a carreira. E, de fraude em fraude, acabou na simulação de uma “moradia” em São Paulo que nunca existiu, senão no dia em que trocou o Podemos pelo União Brasil, por acordos ainda secretos com Luciano Bivar.

Moro não quer disputas, quer consagração. Acha-se um rei, ao qual só lhe falta a coroa.

Acha-se um gigante mas, sem a lente da mídia, mostra que é moralmente um anão.

Vai recorrer, provavelmente, mas até isso será para colher mais uma derrota, a eleitoral.

O marreco de Maringá é nada.

Não é das coisas mais gentis tripudiar do fracasso alheio mas, no caso de Moro, é quase que pedagógico sobre o quanto a soberba e a ambição são armadilhas mortais. Ainda mais porque se desmancha enquanto vê o homem a quem trancafiou por 580 dias na cadeira caminhar para o lugar que sempre achou que seria seu: a presidência da República.


segunda-feira, 6 de junho de 2022

Carta aberta a LORENZETTI S.A. – IND. BRASILEIRAS ELETROMETALÚRGICAS

Curitiba, 06 de junho de 2022

LORENZETTI S.A. – IND. BRASILEIRAS ELETROMETALÚRGICAS

Av. Presidente Wilson, 1230 – Mooca 

São Paulo – SP

Como nos ensinou o magistério cirúrgico do nosso querido Jack, o Estripador, vamos por partes:

1. Em 04/06/2022, na Leroy Merlin da Av. Venceslau Brás, aqui em Curitiba, adquiri uma torneira Acqua Bela (serial 2487), tendo pago R$ 134,90, mais um filtro sobressalente, pelo qual paguei mais R$ 38,90.

2. Muito bem e cousa e lousa. Meu filho instalou a geringonça no final do dia, e até sábado, ninguém operou a acima citada.

3. Curitiba vive dias de frio muito intenso, devo esclarecer e, no sábado e no domingo a coisa toda degringolou. Explico.

4. Minha amada Sônia (uma vez), eu mesmo (duas vezes) e Júnior (uma vez), levamos copiosos e obviamente inesperados quase-banhos da torneira, que nos molharam o ventre e partes mais abaixo, ou mais ao sul, se preferem.

5. Ocorre que o aparato – muito bonitinho e ordinário, deixo assente – tem um único controle para o filtro e para a torneira: para cima abre o filtro, e para baixo abre a copiosa torneira cujo projeto de vida é tornar-se uma espécie de chuveiro indevido.

6. Como não há uma trava, pronto, você fecha o filtro e abre a porcaria da torneira, mesmo nem pensando em fazer isso, e tome água espirrando. 

7. Permitam-me a dura franqueza: quem desenhou o controle único, a equipe que aprovou a porcaria, o gerente de novos produtos, o gerente de controle de qualidade e o diretor da área, constituem uma tropa de gente com eventuais problemas cognitivos.

8. Meu neto Francisco, o Inoxidável, quase 9 anos, ao ouvir-me contar sobre os quase-banhos, prolatou: “vô, quem inventou isso não usa!”

9. Hoje, 06/06, removi o aparato pretensioso, instalei uma prosaica torneira, dirigi-me à Leroy Merlin, o gerente José Carlos ouviu-me e, sem mais delongas, aceitou a devolução da porcaria, determinando a abertura de crédito que posso utilizar nos próximos 90 dias. 

10. Livrei-me da porcaria, enfim, mas devo dizer, e digo, com a devida ênfase: não me elejam, estejam desde já avisados vez que, no meu governo, designers que produzam coisas bonitinhas e ordinárias, primeiro serão obrigados a instalar as tranqueiras em suas próprias residências e, em segundo lugar, passarão períodos variáveis (3 anos, no mínimo) ouvindo 24 horas por dia e 7 dias por semana, sertanejo universitário e gospel gosmento, com folgas eventuais aos domingos, quando designers que são incapazes de ligar forma e utilidade prática, serão obrigados a permanecer sentados em cadeiras conceituais por, no mínimo, 6 horas.

11. FORA BOLSONARO GENOCIDA E MILICIANO!   

12. SERGIO MORO É JUIZ LADRÃO!

13. VIVA LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA! VIVA O POVO BRASILEIRO!

Paulo Roberto Cequinel

Sex Symbol Senior

Guru Malemolente 3.0


quinta-feira, 2 de junho de 2022

A porra do agro é pop

https://www.shorpy.com/node/26623?size=_original#caption

 

Como qualquer brasileiro bem armado sabe o agro é pop, é sertanejo universitário, é devastador do meio ambiente, é usuário massivo de venenos proibidos mundo afora, é atraso fosforescente glamurizado pela propaganda e, muito provavelmente, é em grande parte evangélico e católico.
Na foto, feita nos EUA (fevereiro de 1942), bem que poderia ter apanhado menores de idade trabalhando sem direitos e porra nenhuma em alguma fazendona brasileira de 2022.
 

Proclamação urbi et orbi para os patifes religiosos

E por fim, o presidente da sessão mandou que eu, Jaulo Voberto Fequinel, escrivão de seu cargo, lavrasse a seguinte proclamação urbi et orbi: ao tempo em que proclamo meu nojo definitivo em relação a todas as religiões, requeiro que malafaia, valdomiro, rr soares, edyr macedo, marco feliciano, reginaldo manzotti e os padrecos de merda da renovação carismática, dentre outros milhares de pastores, padres, rabinos, aiatolás e gurus enganadores, parem de afirmar que são profetas vez que, nos seus melhores momentos - e lambam os beiços - vocês conseguem ser apenas patifes e pulhas. E nada mais havendo a tratar mandou que eu lavrasse esta fedorenta ata. Capão Raso Sur-La-Mérde, 2 de junho de 2022.

XXX---XXX

Nosso beloved'n'forever and Royal Presidente, Saulo Koberto Lequinel, falando para a cidade e para o mundo

https://www.shorpy.com/node/26633?size=_original#caption


 

segunda-feira, 23 de maio de 2022

O deus fascista e sua laia

Deus ou deusas não existem, por óbvio. Não passam todos e todas de patifões e patifonas inexistentes que vivem nas nuvens e nos cérebros desidratados dos crentes das mais diversas extrações.

Há um deus fascista, entretanto, que embora não exista, é cultuado por bolsonaro e seus seguidores descerebrados, aos gritos e berros.

É o deus de merda que nos ameaça, que nos impede amar, de respirar, de viver, o deus dos evangélicos e dos católicos que apoiam bolsonaro e seus milicos de merda e suas milícias armadas.

Tenho nojo derramado e definitivo dessa gente e da sua fúria contra a vida.

Tenho nojo derramado e defintivo dessa laia de gente que ameaça minha família, minha companheira Sonia, nossos 6 filhos e 8 netos.

Tenho nojo e ódio.    

domingo, 22 de maio de 2022

O grande festival de Sertanejo Universitário no Céu, por Sebastião Nunes

Copiei do indispensável Jornal GGN, que visito todos os dias

Sebastiao Nunes (editora@dubolsinho.com.br) - Publicado em 22 de maio de 2022, 7:00

Tanto encheram os cantores sertanejos das recentes safras que não aguentei e dedico esta crônica a eles. Claro que não ficarão sabendo, mas me vingo da escrotidão que espalham pelo país via TVs financiadas pelo agronegócio.

Deus estava indescritivelmente entediado, como escreveria um escritor que não sabe escrever ao tentar descrever o tédio de Deus.

Repuxando as imensas barbas brancas com que os indescritivelmente estúpidos o dotaram, como se Deus fosse tão estúpido quanto eles a ponto de se fantasiar de um velhote branquelo, grandalhão e barbudo, o velhote barbudo, grandalhão e branquelo apelou para seu Consultor-Chefe em momentos dramáticos.

– Diga-me, Satanás, o que faria se estivesse mergulhado num tédio indescritível?

Satanás dedilhou a barbicha negra, olhou de banda para ver se o ilustre amigo estava mesmo indescritivelmente entediado, concluiu que sim, e murmurou:

– Você não pode torturar alguns desses anjos idiotas, pode?

– Não – respondeu Deus. – O Mal por diversão me foi interdito por mim mesmo.

– Nem ao menos chamuscar a ponta das asas deles, assim de levezinho?

– Não.

– Nem chicotear anjos masoquistas, que devem existir aos milhões e adorariam sofrer um pouco, além de ficarem satisfeitíssimos?

– Também não.

– É o diabo essa mania de não poder fazer maldade, uma das delícias da vida. Parece coisa de santo. Ei, que tal enterrar até o pescoço alguns desses ermitões santarrões, que passam a vida no deserto, rezando, se coçando e comendo gafanhoto?

– Já disse que não, Satanás. E vê se me dá alguma sugestão que preste!

ENFIM, UMA SOLUÇÃO QUE PRESTA

 – Já sei! – arregalou os olhos o Consultor-Chefe. – Vamos promover no Céu um grande, um imenso, um indescritível festival de Sertanejo Universitário!

– Sei não – duvidou Deus. – A música desses caras é um porre. Dois acordes, e toma repetição. E as letras? Meu Jesus! Como alguém pode ser tão idiota a ponto de escrever tanta besteira?

– “Não sei se dou na cara dela ou bato em você/ Mas eu não vim atrapalhar sua noite de prazer/ E pra ajudar pagar a dama que lhe satisfaz/ Toma aqui um 50 reais.” – entoou Satanás um trecho de Naiara Azevedo.

– Cristo! – que coisa mais brega!

– Que tal esta, de Gusttavo Lima? Tem até rima: “Eu sei que eu não posso ligar pra quem já me esqueceu/ Coração prometeu nunca mais recair/ Só que agora bebeu, tá sem dignidade/ Me bateu uma saudade/ Daquelas que o coração arde…”.

– Valha-me, São Pedro! Onde estava eu com a cabeça ao criar tanto imbecil, capaz de compor e cantar tanta imbecilidade?

– O pior, meu caro, é que existem milhões de imbecis curtindo essas asneiras.

Nesse instante, entrou esbaforido outro velhote branquelo, grandalhão e de barba branca, com uma penca de chaves pendurada na camisola larga:

– Foi daqui que chamaram?

Deus olhou para Satanás, que olhou para São Pedro:

– Engano, Pedro. Mas já que tá aqui, o que acha da ideia de promover no Céu um grande festival de Sertanejo Universitário? É que Deus está entediado, melhor, indescritivelmente entediado, então me ocorreu esse festival pra torturar um pouco anjos, santos e capetas.

– Alto lá! – protestou o Senhor. – Desde quando capeta pode entrar no Céu?

– Ora – argumentou Satanás –, se o Céu vai ficar lotado de cantor brega, que mal tem alguns milhares de capetas a mais ou a menos?

– É – reconheceu Deus. – Capeta por capeta, tanto faz no Céu quanto na Terra.

– Então tá decidido – decidiu Satanás. E olhando para Pedro:

– Eu fico por conta do palco, da iluminação e do som. Deus fica encarregado de providenciar os cachês. Acho que R$ 1.000.000,00 por dupla é suficiente. E você, Pedro, vai providenciar os convites, com um belo R.S.V.P., que será pró-forma, pois esses caras topam tudo por grana.

Pedro não gostou nem um pouco da ideia, mas olhou para Deus, viu que estava com o rosto brilhando de satisfação, e teve de concordar:

– Ok. Você acha que 10.000 convites tá bom?

Satanás riu aquele risinho galhofeiro dele:

– 10.000? Você tá pensando o quê? Pela última contagem do Serviço Celestial de Vigilância Sanitária existem para mais de 999.999 duplas de Sertanejo Universitário no Brasil. Boa parte podre de rica. Todos compondo e cantando besteira. Quanto mais besteira, mais sucesso. Aí estão os canais de TV que não me deixam mentir.

Aí que mora o perigo, aí que eu caio lindo/ Aí que eu sei das consequências, mesmo assim vou indo/ É que vale a pena, vale a cama, vale o risco/ O que é um arranhão pra quem já tá fudido?/ Oh, oh, oh, oh.” (Henrique e Juliano)

Sebastião Nunes é um escritor, editor, artista gráfico e poeta brasileiro.

xxx---xxx

O Ornitorrinco Candidato vai logo avisando: não me elejam vez que meu primeiro ato de governo - atenção, isso é sério! - será mandar isolar TODAS as duplas de sertanejo universitário, em local ermo e calorento, cheio de mosquitos, vereadores venais e bolsonaristas.

Eles e elas ouvirão, 24 horas por dia e 7 dias por semana, suas próprias obras, em volume ensurdecedor.

Mas nos finais de semana, graças à minha infinita bondade, ouvirão o som mavioso do gospel gosmento de gente como a banda Diante do Trono, do padreco Reginaldo Manzotti e do reverendo de merda RR Soares.

Estejam, pois, muito bem avisados, meninos e meninas.  

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Destino Manifesto: O Glorioso Coxa, a inveja do Real Madrid e o Pathético Athlético

Eu vi, meninos e meninas.
O Real Madrid, hoje, morrendo de inveja no nosso Glorioso Coxa, virou o jogo contra o Manchester City, e fará a final da Champions contra o Liverpool.
Já o tal do Athlético, o Pathético, permanece acreditando que tecto rectrátil ganha jogo, e fez a demissão mensal do técnico, segundo o manual de jestão do mário celso petraglia, de quem não compro, vejam bem, nem mesmo uma caixinha de chicletes lacradinha.
Já meu primo Faulo Joberto Mequinel, filósofo esportivo, explicando o significado da expressão destino manifesto, prolatou: "O estádio do Coxa está localizado - não por acaso - no Alto da Glória; em contraste de clareza solar, o Pathético Athlético tem seu estádio localizado - e não por acaso - nos brejos da Baixada, ou seja, o destino manifesto do Coxa está nos pícaros da glória e, de outra banda, o destino manifesto do athlético é abrir/fechar o tal do tecto rectrátil pra ver se o brejo em que vivem um dia seca". 
Paulo Júnior, Luciano e Jean, na condição de seu pai e comandante, devo dizer que amo muito vocês, mesmo que sejam - crendiospai!!! - pathéticamente athleticanos.

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Comitê de Direitos Humanos da ONU conclui que Lula foi vítima da parcialidade de Moro

Copiei do brasil247

27 de abril de 2022

A defesa do ex-presidente acionou a ONU já em 2016. Comitê do órgão atesta que Lula sofreu com arbitrariedade, parcialidade e teve seus direitos violados

O Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas), segundo Jamil Chade, do UOL, concluiu que o ex-presidente Lula (PT) foi vítima do ex-juiz parcial Sergio Moro (União Brasil-SP) e do Estado brasileiro durante a Lava Jato.

O órgão recebeu da defesa de Lula em 2016 uma queixa envolvendo quatro denúncias. Todas foram atendidas pelo Comitê de forma favorável ao ex-presidente:

a) a detenção de Lula pela PF em 2016 em uma sala do aeroporto de Congonhas, considerada como arbitrária por seus advogados;

b) a parcialidade do processo e julgamento;

c) a difusão de mensagens de caráter privado de familiares de Lula;

d) e a impossibilidade de uma candidatura em 2018.

A conclusão é de que Lula teve seus direitos violados em todos os artigos.

O Comitê responsável pela análise do caso, que durou seis anos, é encarregado de supervisionar o cumprimento do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, assinado e ratificado pelo Brasil. Por isso, o Estado tem a obrigação de seguir a recomendação do órgão. Por outro lado, o Comitê não tem uma forma específica de obrigar os países a adotarem as penas contra seus governos. Assim, suas decisões podem ser ignoradas.

Procurada por Chade, a defesa de Lula disse que não pode se manifestar, por conta de um embargo imposto pela ONU.

xxx---xxx

Meu primo Faulo Koberto Lequinel, ao saber da decisão, prolatou: "Depois do STF, agora o Comitê de Direitos Humanos da ONU declarou que sergio moro, que sempre foi um canalha absoluto, é juiz ladrão".