SOBRE O BLOGUEIRO

Minha foto
Antonina, Litoral do Paraná, Palestine
Petroleiro aposentado e petista no exílio, usuário dos óculos de pangloss, da gloriosa pomada belladona, da emulsão scott e das pílulas do doutor ross, considero o suflê de chuchu apenas vã tentativa de assar o ar e, erguido em retumbante sucesso físico, descobri que uma batata distraída não passa de um tubérculo desatento. Entre sinos bimbalhantes, pássaros pipilantes, vereadores esotéricos, profetas do passado e áulicos feitos na china, persigo o consenso alegórico e meus dias escorrem em relativo sossego. Comendo minhas goiabinhas regulamentares, busco a tranqüilidade siamesa e quero ser presidente por um dia para assim entender as aflições das camadas menos favorecidas pelas propinas democráticas.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Belo monte de (merdas) inúteis ou, se vocês querem energia eólica, viuvinhas sem porvir de merda, abanem freneticamente seus leques

Eu visito o Blog da Cidadania todos os dias


A contragosto – porque o assunto é chato e inútil – e a pedido de um amigo virtual assisti a uma peça publicitária que circula na internet. No vídeo, um bando de playboys e socialites militontos –  autoproclamados “artistas”, mas que não passam de arroz-de-festa – destilam baboseiras sobre a futura usina hidrelétrica de Belo Monte.
Por falta do que fazer, abraçaram causa pseudo “ecológica” e doaram um tiquinho do tempo que passam torrando dinheiro em shoppings para gravar um vídeo em que o bando de branquinhos, loirinhos de classe média alta se atira à defesa de “índios” em uma peça que, se tirarem som e legendas, facilmente pensarão que foi produzida na Noruega.
Gente que provavelmente, em boa parte, nunca viu um índio de perto defendendo “índios”. Gente que só conhece por fotos a região da futura usina dando ao governo a receita “brilhante” de que, em vez de construir hidrelétricas, aumente o parque energético do país com energia “eólica” ou “solar”. Um país que tem, “apenas”, 8.514.876 km²…
O bando de “atores” e “atrizes” da Globo, porém, não teve nenhum surto de consciência social. Está apenas “trabalhando”, porque a mesma grande mídia golpista, racista e de ultradireita que vive tentando inventar um “apagão” como o que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deixou acontecer, é contra Belo Monte.
O vídeo é uma empulhação do começo ao fim porque deixa a sensação de que a usina hidrelétrica destruirá uma região que deve ser preservada, sim, mas que tem que dar ao país ao menos essa tão necessária fração das riquezas naturais que encerra. Fizeram o mesmo com as obras no Rio São Francisco, pois são obras que colocarão o Brasil no século XXI.
Apesar de Lula ter investido pesadamente em geração de energia elétrica de forma a reverter o desastre energético que herdou de FHC, este país está no limite de sua capacidade de geração de energia. Em uma década, se tanto, sem uma matriz energética ampliada este país para. Não haverá energia eólica, solar ou nuclear que baste, sem novas hidrelétricas.
Onde vamos construí-las? Na Barra da Tijuca ou nos Jardins, onde habitam as socialites e playboys da tal peça publicitária que me consumiu preciosos minutos da vida mortal?
Com a pujança econômica que este país vem exibindo em um mundo embasbacado com ela por estar atravessando a pior crise econômica desde o início do século passado, não construir hidrelétricas capazes de sustentar esse crescimento, sobretudo em um país tão carente de redução da pobreza, seria um crime de lesa-pátria igual ao que cometeu FHC.
Que fique claro: para um país deste tamanho, energia hidrelétrica é a única alternativa de curto prazo, sendo as energias nuclear, eólica ou solar um legítimo delírio, porque jamais haveria como suprir dessa forma uma demanda energética que cresce em escala geométrica e que deve crescer ainda mais rapidamente nos próximos anos.
Não precisam acreditar em mim. Busquem informação com qualquer especialista e perguntem se há como suprir com energia nuclear, vento ou luz do sol a demanda descomunal por energia que tem hoje o país. É uma farsa, pois, acenarem com moinhos de vento ou com caríssimos painéis solares equipando casas, fábricas, comércio, hospitais etc.
O que revolta mesmo, porém, é usarem “os índios”. Será que um país deste tamanho não tem condições de oferecer outro local para as populações daquela região? Claro que se fosse verdadeira essa empulhação dos empregados da Globo de que o governo pretende jogar “os índios” no meio da rua, eu estaria entre os primeiros a cobrar consciência social. Mas é mentira.
Toda essa farsa se explica porque, ao lado do fracasso da Copa de 2014 ou de uma recessão causada pela crise internacional, um “apagão” energético neste governo, de preferência igual ou pior do que o produzido pela inépcia de FHC, está entre os objetos de desejo dessa direita insana que tenta recuperar o poder ao custo da literal sabotagem do país.

----------XXXXXXXXXX----------

O Ornitorrinco Devastador de Florestas e Destruidor Cruel do Meio Ambiente pede a palavra para mandar para o raio que as parta e rache no meio as viuvinhas de são josé serra atingido e de santa marina esverdeada, que foram sacrificados no altar satânico do petismo búlgaro. Vocês continuam sem entender porra nenhuma, meninas: parem de ler a imundície da Veja enquanto esperam a broca sinistra e a conta assustadora do dentista e, no intervalo, produzam energia limpa abanando seus leques e seus rabos esverdeados e, como é apropriado, desligando o ar condicionado de seus apartamentos, bando de hipócritas!

5 comentários:

Rosangela Basso disse...

Ver Maite falar blablablá me deu asco, a coisinha diz que vamos pagar pela construção de Belo Monte, e daí? Já pagamos as pensões que ela recebe, 13 mil reais todo mês.

Rosangela Basso disse...

Párodias para Maite no twitter:

cantem comigo, em ritmo de Arerê, da Ivetona: "arerê, eu pago a pensão da maitê, ê ê ê ê ".kkkkkkkkkk

"Arerê, cadê o sutiã da Maitê ê ê? Cai, cai, cai, cai, cai pra lá. 'Esses peito' vão rolaaaaaaaaar"..

kkkkkkkkkkk

Regis disse...

Leiam este texto a respeito. Vale a pena:http://palavras-diretas.blogspot.com/2011/11/olha.html

Regis Mauhs

Leonardo disse...

Olá colega blogueiro.
Agradeço a visita e o comentário no meu texto sobre a campanha capenga dos globais. Me sinto lisonjeado em saber que meu texto será reproduzido, e será uma honra que o meu Palavras Diretas faça parte da Mixórdia de Blogs Sujos. Me comprometo desde já a fazer por merecer o enquadramento nessa categoria.
Inclusive já tem um tempo que pretendo incluir uma listagem como essa no meu blog também, e quero incluir o Ornitorrinco nela. Posso?

Paulo Adolfo (Dodo) disse...

Olha, companheiro Cequinel, acho que vou propor também que, além dos ventos dos leques das socialites para girar as pás gigantescas dos geradores eólicos, em vez de Belo Monte construa-se uma hidrelétrica ali no Tietê bem no meio de São Paulo, que já vive inundada mesmo nos verões, submergindo de preferência a região dos Jardins, Higienópolis (onde vive FHC) e esses redutos paulistanos tão preocupados com o meio-ambiente e as terras dos índios do Xingu.