SOBRE O BLOGUEIRO

Minha foto
Antonina, Litoral do Paraná, Palestine
Petroleiro aposentado e petista no exílio, usuário dos óculos de pangloss, da gloriosa pomada belladona, da emulsão scott e das pílulas do doutor ross, considero o suflê de chuchu apenas vã tentativa de assar o ar e, erguido em retumbante sucesso físico, descobri que uma batata distraída não passa de um tubérculo desatento. Entre sinos bimbalhantes, pássaros pipilantes, vereadores esotéricos, profetas do passado e áulicos feitos na china, persigo o consenso alegórico e meus dias escorrem em relativo sossego. Comendo minhas goiabinhas regulamentares, busco a tranqüilidade siamesa e quero ser presidente por um dia para assim entender as aflições das camadas menos favorecidas pelas propinas democráticas.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Eu me escafedo, tu te escafedes, eles se escafedem e Tutuca, assoviando, finge que a conversa não é com ele

Eu visito o Blog do Tutuca todos os dias

Por acreditar que devo ser leal e franco com quem tenho divergências, sempre que faço críticas digo o nome do criticado. Embora não seja o único, Tutuca permanece sendo publicamente desleal comigo, jamais me nomeando quando responde meus petardos, e ele sempre responde. Ele e os outros blogueiros limpinhos que adotam tal prática são uns bundões do rabo-mole. Feliz Natal, cagões!  

Sabem aqueles bonecos que têm um soprador e que ficam na porta das lojas “agitando os braços”? Tutuquinha é igualzinho, só vento, meus amigos: desligou o compressor ele murcha.

Para confundir, joga areia nos olhos do distinto público e, mais uma vez fingindo que não está falando comigo, mas com Alexandre, tangencia, escorrega, tergiversa, enrola, enseba, finge que vai mas não vai porra nenhuma, ensaboa, e tome a xaropada manjada de oh quanto bom senso e oh a verdade, oh eu não sou radical, oh eu não sou fundamentalista, oh é realidade prá cá, oh são os fatos prá lá, oh são matérias “não tão favoráveis ao Lula”, oh blá-blá-blá e, como é próprio, oh escafede-se assoviando e oh fazendo-se de morto.

Oh que sujeito cara-de-pau, digo eu.  

Conheço o bom trabalho do vereador Hélio com as marisqueiras e com o povo da pesca e, que fique bem claro, obviamente ele não me deve nenhuma satisfação sobre em quem votou. Sei que defendeu e pediu voto para Dilma e André Vargas, imagino por reconhecer o que o governo Lula e o deputado têm feito pelos pescadores.

Aliás, nem Tutuca nem qualquer outra pessoa obviamente devem qualquer explicação sobre seus votos, muito menos a este modesto e inútil escriba.

Introduzida a cabeçinha, agora você deve relaxar e, no momento adequado, gozar. Isso, assim, calma, não vai doer.

Não me venha, Celso Tutuca Wistuba, com essa conversa pegajosa e gosmenta de convivência entre pessoas que pensam diferente: dispenso sumariamente lições rasteiras e oportunistas desse tipo, apropriadas para livros de auto ajuda, e especialmente as suas. Sempre fui plenamente capaz disso, inclusive aqui em Antonina, deixando claramente assentado o que penso, certo ou errado, até para que a convivência seja possível, sem enganações ou dissimulações.  

A discussão da qual você miseravelmente fugiu não tem nada a ver com tolerância, com democracia, com sinos bimbalhando, ou com tucanos voando milagrosamente.

Para mim, e pode me chamar do que quiser, é inaceitável que você, um notório, raivoso e intolerante anti-petista tenha feito campanha justamente para um candidato petista. Você quer que eu considere esse um comportamento aceitável do ponto de vista ético e moral depois das barbaridades que você despejou contra a “quadrilha petista”, contra o “mentiroso do Lula”, contra a Dilma e outras coisas mais? Há quem você pensa que engana? Quer me enrolar, logo a mim, com este pragmatismo digno de banco de areia movediça? Você pensa que sou trouxa?

Dissimulado, proclama que Antonina deve estar acima de nossas vaidades e vontades, e quem haveria de discordar?

Abro parêntesis para dizer que sempre que ouço esta frase eu, que as tenho brancas, trato logo de colocar minhas barbas em conveniente e preventivo molho e, fechando parêntesis, radical e intolerantemente fedido pergunto, assim como quem não quer nada, qual o exato significado disso?

Antonina, acima de nós, seria um ente superior e intangível, uma terra mágica? Está acima para ir para que lado? Está mesmo acima ou, como ouso pensar, Antonina somos nós e nossas infinitas limitações e sonhos, e nossos projetos tão diferentes, o esgoto a céu aberto, e nossas dúvidas?

Mas Tutuca, o que sempre foge do debate aberto, trata logo de mistificar as coisas e, ladino, decreta que quem não concorda com ele, quem pensa diferente, é vaidoso e é contra Antonina. Trata-se de grosseira falsificação política e ideológica, mistificação pastosa, conversa para bois babões e cristãos desavisados dormirem, até porque não há nesta cidade que escolhi para viver quem tenha autoridade para dizer que com ela não me preocupo.

Há quinze anos ouço esse conversê inútil e desmobilizador e sempre entendi que ajuntamento não significa unidade. Quando inventam essa conversa, observem, há uns espertalhões de rabão peludo sorrindo para todos nós e, depois, contadas as licitações fraudadas e a roubalheira, os rabudos sempre engordam o patrimônio.

Posso ter e tenho cara de bobo, andar de bobo e jeitão de bobo, mas o problema insolúvel de vocês do ajuntamento é que não sou bobo.

Somos diferentes, temos visões de mundo e propostas de solução diferentes, de modo que os petistas, os demistas, os tucanos, os verdes, os comunistas, os isso, os aquilo continuarão disputando eleições, fazendo alianças, quebrando o pau e pontualmente unindo-se. Não há nada de errado nisso.

Eu, fundamentalista e radical, intestinal e intragável, mesmo não filiado, defendi e fiz campanha, abertamente e do meu jeito, para Dilma e para candidatos do PT e os petistas, daqui ou de qualquer lugar, não me devem coisa alguma, e podem mesmo não gostar muito de mim, e creio que os companheiros tenham até boas razões para isso. Mas me respeitam. Sabem que jogo limpo, mesmo quando lanço matéria fecal no ventilador.

A diferença entre nós dois, Tutuca, além do seu sorriso muito mais simpático, é que você lança todos os dias muita merda no ventilador, mas sempre se esconde atrás das cortinas da dissimulação e da conversa mole e ninguém diz ou percebe que você é um emérito, simpático e contumaz lançador de merda.

Eu faço o mesmo, mas antes vou logo avisando, lealmente: vai merda, aí, pessoal!

E todos sabem que Cequinel lança a merda anunciada.

Sim, tenho dormido muito bem. Deito por volta das dez da noite e, glorioso, acordo descansado nunca antes das nove da manhã.

Como se vê, além de tudo, sou bom de cama.

2 comentários:

Alexandre disse...

Olá seu Paulo!
fiquei tomando conhecimento desse seu fabuloso Blog somente agora, e meu humilde parabéns pelos textos, não sou um militante petista e sim um fã do governo Lula e agora a continuidade da Dilma e gratidão é a palavra que os antoninenses deveriam ter em relação ao governo Pt tanto de esfera nacional como estadual. E tem muito blogueiro que vejo nesse mundo virtual são uns Poetas Calados!

PAULO R. CEQUINEL disse...

1. Obrigado pela visita, meu caro. Devo avisar, entretanto, que este ambiente virtual é, no entendimento superior do Tutuca, um espaço insalubre e perigoso, já que sou intolerante e radical, sempre segundo aquele cheiroso blogueiro.
2. Sou hoje apenas um petista no exílio, vez que desfiliei-me do PT em 2004, depois de mais de 22 anos de militância.
3. Recomende o blog aos seus amigos, parentes e desafetos e, claro, volte sempre.
RAULO BOBERTO WEQUINEL
THE FLYING ORNITORRINCO COMPANY